A história da Anna | Décimo Mês

A história da Anna

Todos os dias na minha vida como mãe, sou recordada das inúmeras fragilidades do corpo humano. Os meus filhos estão vivos porque fazem um esforço enorme para isso. Não tomamos a saúde por garantida. Somos constantemente lembrados dessa dádiva todos os dias. Sinto que juntamente com o fato de os moldar com um ponto de vista positivo em relação à vida e à morte, a amamentação foi o melhor presente que eu lhes podia ter dado. O amor que sinto através da ligação ao dar-lhes de mamar é profundo e real e aproxima-nos mais do que alguma vez pude imaginar. Abriu as portas para uma etapa eterna de ligação e proximidade. Não há coisas perfeitas – não há vidas perfeitas, famílias perfeitas, nem corpos perfeitos.

Amamentar pode ser hilariante, mas também estranho e confuso. É um processo que pode vir acompanhado de conflito, exaustão, júbilo, alegria intensa, dor física, corrimento, ressentimento, concursos de t-shirt molhada, julgamento, beleza e encanto. Escolher amamentar os meus filhos significou escolher aceitar o meu corpo tal como ele é e sentir orgulho nele e do que ele é capaz de fazer. Antes de ter filhos, passava muito tempo preocupada a pensar onde encaixava nos ideais femininos. Eu queria ser atlética e doce, ter peito e ser magra, considerada divertida, inteligente e sensual.

Agora, embora ainda pense nisso, sou mais do que uma mulher com um corpo, sou uma mulher que gerou duas vidas, as fez crescer e as alimentou, amei-as profundamente e dei-lhes tudo o que consegui. Também me ofereci a mim própria um excelente presente. Aceito-me a mim mesma e às minhas complicadas contradições tal como desejo que as minhas filhas se aceitem a elas próprias e aos seus belos e saudáveis corpos.

Anna, 34, mãe de 2 filhos