Finalmente chegou o bebé com que sempre sonhou e de que você e o seu parceiro têm estado à espera. Estão ambos enfeitiçados, exultantes e não cabem em si de contentes. O vosso amor um pelo outro foi renovado, fortalecido e estão ambos submersos na alegria do lar. Mas será que estão mesmo?

Ter um bebé pode colocar uma grande tensão na relação. De repente, a vida mudou para sempre; sobretudo a sua. Os papéis na relação podem ter sido alterados, tal como as expectativas de cada um. As mães recentes podem ter dificuldade em conseguir manter um equilíbrio nas suas vidas e uma das queixas mais frequentes é que são elas a manter a maior parte das responsabilidades domésticas, sociais e parentais, basicamente fazendo muito mais do que é possível e justo para uma pessoa só. Encontrar o equilíbrio nas tarefas não é fácil. O seu mundo pode ter-se transformado enquanto o do seu parceiro parece continuar na mesma. Ele vai para o emprego como sempre, continua a manter os seus hábitos sociais, etc…

 

Karen, gémea, 30 anos, mãe de dois filhos

Karen, gémea, 30 anos, mãe de dois filhos

Karen, gémea, 30 anos, mãe de dois filhos

Karen, gémea, 30 anos, mãe de dois filhos

Karen, gémea, 30 anos, mãe de dois filhos

Karen, gémea, 30 anos, mãe de dois filhos

1 of close

Karen, gémea, 30 anos, mãe de dois filhos

prev    
 

Como cuidadora principal parou de trabalhar para tomar conta do seu bebé (seja a curto ou a longo prazo) por isso é fundamental sentir-se valorizada, emocionalmente apoiada e apreciada pelo seu parceiro.

 É provável que alguns ressentimentos venham ao de cima se o seu parceiro subestima os seus esforços ou se, quando é a vez de ele ajudar, decide atropelar abruptamente os horários definidos por si, arruinando o árduo trabalho que teve para manter as rotinas, etc…

 Jilly, mãe de 2 filhos e psicóloga clínica escreve:

“É a vossa primeira vez. A vossa rotina diária diverge e pode parecer impossível ultrapassar essa questão. O que nos ajudou foi ter a certeza que os nossos papéis estavam claramente definidos, e também que o meu marido não tentava ser a “mãe”, tendo desenvolvido a sua própria relação, os seus afazeres e pequenos truques a utilizar com as crianças…”

Por vezes também pode ser o seu parceiro que não percebe a quantidade de apoio que você precisa, o quão cansada efectivamente está ou como lidar com as suas alterações de humor. É difícil ter estado numa carreira que gostava e ter sido derrotada apenas por um bebé – (Um bebé! Será que é assim tão difícil tomar conta de um ser tão pequeno? Sim, é). Muitas mulheres descarregam as suas frustrações e fúrias nas pessoas que lhes estão mais próximas e lhes são mais queridas. Não subestime o turbilhão de hormonas pós-parto que a prendem a uma montanha russa de emoções. Vão haver humores, mudanças e reviravoltas. É natural; o seu corpo está a voltar ao normal. Também pode ocorrer algum tipo de depressão. Se se sentir assim é muito importante que aceite esses sentimentos e que peça ajuda o mais rapidamente possível. 

Ressentir-se do seu parceiro é uma questão complicada. Numa rápida vista de olhos aos vários fóruns existentes de grupos de apoios à parentalidade podemos garantir-lhe que é um problema frequente. Haverá implicância, irritações, irá colocá-lo de lado, sentirá rancor, e tudo isto dirigido ao seu parceiro. Assim sendo, como lidar com esta fúria contida e com as explosões iminentes?

 Primeiro tem de sair desse caminho de negatividade e identificar aquilo que quer conquistar e a forma de o comunicar ao seu parceiro.

Fale sobre o assunto. Parece óbvio mas falar é essencial.  Tal como encontrar a altura e o local certo para o fazer. Combine uma conversa de adultos longe do choro dos bebés e num cenário neutro. 

Calma é a palavra de ordem. Tente não fazer nada de forma precipitada, nem tome eventuais decisões que sejam importantes ao ponto de alterarem a sua vida, quando está num estado de raiva.

Tome nota de tudo. Solte as suas frustrações escrevendo os pensamentos negativos. Tente ser o mais específica possível e descubra exatamente qual a questão em causa.

Mantenha a calma. Tenha a certeza que está calma e estruturada antes de falar com o seu parceiro. Podem ser necessárias algumas inspirações profundas ou dar uns bons socos numa velha almofada, ou pôr o rádio do carro no máximo para abafar uns gritos de frustração.

Liberte-se de discussões cíclicas. Se acha que está a falar sobre as mesmas questões vezes sem conta então faça experiências. Encontre uma forma alternativa de demonstrar o seu ponto de vista – uma vez que não está a ser produtivo da outra forma. Pode achar que está a ser explícita, dizendo A+B=C, mas o seu parceiro está a ouvir X+Y=Z. Procure conselhos junto de amigos ou se possível até junto de um conselheiro ou de um coach, alguém que consiga trazer uma nova perspectiva da situação. Precisa de encontrar uma forma de exprimir-se sem o seu parceiro ficar na defensiva. 

Concentre-se em si mesma como sendo a cuidadora principal. Lembre-se que sendo a pessoa mais importante na vida do seu filho, tem de tomar conta de si própria: faça uma alimentação saudável, beba muita água e faça o máximo de exercício que puder.

Com dexpantenol. Para prevenção e tratamento do eritema da fralda e gretas do mamilo, pele seca, áspera ou gretada e cicatrização de lesões e irritações da pele. Contra-indicado no caso de sensibilidade a qualquer componente. Medicamento não sujeito a receita médica. Leia cuidadosamente o folheto informativo. Em caso de dúvida ou persistência dos sintomas, consulte o médico ou farmacêutico. L.PT.MKT.DC.12.2016.0113