Não se preocupe pois não se trata de um teste onde pode passar ou reprovar, pelo que não há nada a preparar. É apenas uma consulta geral para saber como está.

Não existe uma data estabelecida para quando se irá sentir “normal” outra vez – pode ainda não ter reiniciado a sua vida sexual, não estar ainda de regresso ao ginásio, ou não vestir ainda a roupa que utilizava antes de estar grávida.

Esta é a oportunidade ideal para fazer perguntas caso tenha alguma preocupação – por isso não fique em silêncio caso exista alguma questão que gostasse de abordar. Seja o que for, desde a incontinência urinária, a lidar com o cansaço, passando pelas estrias e pelo sexo doloroso – lembre-se que a sua saúde é extremamente importante e que o seu médico está ali para a ajudar.

O que esperar?

O médico vai apenas falar consigo para saber como está a lidar com o bebé, como se sente psicologicamente e para lhe perguntar se o seu corpo já recuperou do parto.

Por vezes, isso implica um exame físico – mas apenas se tiver alguma queixa ou preocupação.

A duração da consulta varia dependendo daquilo que tiver para dizer – se estiver tudo bem pode entrar e sair muito rapidamente. Se, pelo contrário, estiver a lutar contra uma depressão pós-parto ou com algum problema físico relacionado com o parto, pode demorar um pouco mais.

Exames físicos

O  objectivo global desta consulta é perceber se o seu corpo está a recuperar do parto, a sarar como é devido e a regressar ao normal.

  • Pode ter de fazer uma análise à urina para saber se os seus rins estão a funcionar em condições e para despistar eventuais infecções. Vai ser-lhe medida a tensão.

  • Será pesada e aconselhada a fazer uma alimentação saudável para a ajudar a perder o excesso de peso ganho durante a gravidez, caso peça conselhos nesse sentido.

  • O médico poderá querer observar a sua vagina para constatar se os eventuais pontos sararam e se os músculos utilizados no parto já regressaram à sua posição correta.

  • Poderá ter de fazer uma citologia caso esteja na altura anual de a fazer.

  • Se tiver feito uma cesariana, o médico poderá querer observar a cicatriz ou os seus pontos, ou caso lhe tenham feito uma episiotomia (um corte no períneo para alargar a vagina durante o trabalho de parto).

  • Vai perguntar-lhe se tem corrimento vaginal e se já voltou a ter o período (caso esteja a amamentar em exclusivo ainda não o terá tido).

  •  Se as análises feitas durante a gravidez tiverem revelado não estar imune à rubéola, ser-lhe-á dada uma vacina para aumentar a sua imunidade nesta fase.

  • O médico pode perguntar-lhe se tem eventuais problemas de incontinência urinária ou intestinal, que podem ser bastante frequentes após dar à luz. Caso esteja com alguma destas questões, não tenha vergonha - o médico pode encaminhá-la para sessões de fisioterapia, receitar algum medicamento ou indicar-lhe um especialista para fazer uma cirurgia reconstrutiva.

Os fisioterapeutas podem dar-lhe instruções  directas acerca de exercícios que deve fazer para aumentar a força do pavimento pélvico, de modo a poder executá-los com regularidade.

Bem-estar emocional

O médico pode também querer saber como se sente e se acusa cansaço, depressão ou se está  sobrecarregada com as suas novas responsabilidades. Caso tenha algum destes sintomas, não tenha receio de abordar a questão. Esta é uma oportunidade para obter ajuda se estiver a lutar contra uma depressão.

Depressão pós-parto: se tem vontade de chorar, se está ansiosa ou deprimida, esta é a altura para pedir algum tipo de apoio (caso ainda não o tenha feito). A depressão pós-parto é muito frequente, afecta 1 em cada 10 mães recentes e não é razão para sentir vergonha. O seu médico pode achar que precisa de aconselhamento ou antidepressivos durante um curto período de tempo. Por vezes, o simples facto de falar com outras mães recentes também pode ajudar, por isso tente frequentar um grupo social pós-parto – o seu médico poderá ter informações adicionais sobre esta questão.

Sexo e  contracepção

Sexo: não existe uma altura certa para reiniciar a sua vida sexual, por isso não se aflija caso isso ainda não tenha acontecido. Se, no entanto, já retomou a sua atividade sexual, o sexo não deverá ser doloroso pelo que, se assim for, deve fazer essa referência ao seu médico, logo que possível. Ele poderá examiná-la para saber se está tudo bem.

Contracepção: O seu médico irá perguntar-lhe qual o método contraceptivo que está a utilizar e poderá inclusivamente fornecer-lho. Lembre-se que assim que começar a ovular novamente é possível engravidar, por isso não se desleixe – mesmo que esteja a amamentar apenas parcialmente, a ovulação poderá acontecer e estar apta a conceber.

A história de uma mãe:

 

Eu tive um problema de incontinência depois do Oliver nascer que me incomodou muito, mas tinha bastante vergonha de referir o assunto à minha parteira. Quando fui à médica, à consulta de acompanhamento das seis semanas após o parto, já não aguentava mais e precisava desesperadamente de ajuda, por isso ganhei coragem e referi-lhe o assunto. Ela foi extremamente amável e explicou-me que era uma situação muito frequente, aconselhando-me um fisioterapeuta, que me ensinou vários exercícios, para tonificar o meu pavimento pélvico e que me foram muito úteis.

Nicky, 29, mãe do Oliver, 9 meses.

Com dexpantenol. Para prevenção e tratamento do eritema da fralda e gretas do mamilo, pele seca, áspera ou gretada e cicatrização de lesões e irritações da pele. Contra-indicado no caso de sensibilidade a qualquer componente. Medicamento não sujeito a receita médica. Leia cuidadosamente o folheto informativo. Em caso de dúvida ou persistência dos sintomas, consulte o médico ou farmacêutico. L.PT.MKT.DC.12.2016.0113