Seja por razões sociais ou por qualquer outro motivo, as recém-mamãs passam por diversas situações que não costumam ser muito faladas quando chega a altura da amamentação. Por esta razão, aqui referimos 12 coisas de que ninguém fala e explicamos como deve agir para facilitar as diversas situações.

1) Queima calorias (mas nem sempre emagrece)

A verdade é esta: a amamentação queima muitas calorias, mas isto não implica que emagreça. A perda de calorias varia de mulher para mulher, tal como o aumento do apetite que isto pode provocar. Como tal, não precisa de ficar à espera da altura da amamentação para emagrecer.

Dê tempo ao seu corpo para se adaptar a esta nova realidade e procure criar uma dieta equilibrada para si e para o seu bebé com a ajuda de um profissional especializado. Para além de regular a sua alimentação, pode começar a fazer algum exercício físico. O recomendável é progredir aos poucos no seu treino desportivo: comece com um passeio diário com o seu filho e, numa fase mais tardia, pode conjugar este passeio com Pilates para fortalecer os músculos centrais. Não se esqueça de ir aumentando o tempo do exercício aos poucos, também, para que o seu corpo se adapte mais facilmente. Por exemplo, caminhe durante 30 minutos e aumente gradualmente até chegar aos 60 minutos.

2) O leite pode vazar em momentos felizes

O facto de haver a possibilidade do leite vazar em momentos felizes deve-se à libertação da hormona ocitocina. Esta hormona tem a função de facilitar a amamentação e é libertada devido ao estímulo de sucção do bebé. Mas nem sempre isto acontece só quando o bebé está a ser alimentado. Em momentos de felicidade sentidos pela mãe, por exemplo quando pensa no seu bebé, quando abraça alguém, ou quando tem relações sexuais, a ocitocina leva a que o mamilo vaze algum leite.

12 coisas sobre a amamentação de que ninguém fala

3) A garganta fica seca

O processo de amamentação liberta muita água do corpo da mãe e, por esta razão, existe uma maior necessidade de hidratação. O aconselhável é beber, pelo menos, dois litros de água por dia para não ter esta sensação de garganta seca. Se preferir, pode também colocar limão ou laranja na água, para que esta adquira um sabor mais agradável, ou beber água de coco.

4) Sapinhos (ou candidíase da boca) também passa para o mamilo

Os sapinhos, ou candidíase da boca, é uma infeção que pode ocorrer na boca do bebé provocada por um fungo. Esta infeção pode acontecer em qualquer altura e até nos bebés mais saudáveis. O bebé fica com manchas brancas na boca (que podem ser confundidas com restos de leite) que causam incómodo e dificuldade em alimentar-se.

Esta infeção pode passar de bebé para bebé, tal como pode passar para o mamilo da mãe. Como tal, é aconselhável que se desinfete os objetos que passam pela boca do seu filho, bem como a sua mama após a amamentação. Note que um mamilo seco terá maior dificuldade em contrair esta infeção, pelo que é sempre aconselhável secá-lo.

No caso do seu filho contrair esta infeção, existem tratamentos em forma de líquidos ou pomada para aplicar na zona infetada várias vezes ao dia, até dois dias após o fungo ter desaparecido. Informe-se com o seu médico ou outro profissional de saúde.

5) Arejar e apanhar sol nos mamilos é bom

Todos nós sabemos que apanhar sol oferece muitos benefícios, nomeadamente a produção eficaz de vitamina D. Este caso não é exceção. Apanhar sol em toda a zona peitoral ajuda a prevenir o surgimento de feridas - ou a promover a sua cicatrização. No entanto, tenha atenção em não se expor nas alturas em que o sol está mais forte. Procure fazê-lo antes das 10 horas da manhã ou depois das 16 horas.

6) O stress dificulta a amamentação e a produção de leite

No meio de tanto stress vindo com os primeiros dias do bebé, a amamentação deve ser um momento apreciado pela mãe e pelo filho.

Desta forma, se a amamentação for realizada numa postura de felicidade e calma, facilitará a produção de leite e ajuda-a a aproveitar o momento.

Por isso, sempre que for amamentar, lembre-se que este é um momento único na relação com o seu filho, livre-se do stress por uns minutos e seja feliz.

7) O bebé não nasce a saber mamar - Mordidelas

Não fique frustrada pela dificuldade inicial de amamentar o seu bebé. A verdade é que ninguém nasce ensinado, por isso, o seu bebé não vai saber mamar quando nascer. Apesar de ter o reflexo da sucção, poderá ser difícil para o seu filho agarrar na mama e saber como mamar.

Mesmo ainda não tendo dentes, o seu bebé poderá morder involuntariamente a mama para controlar o fluxo de leite ou para chamar a sua atenção se sentir que estiver distraída com outras pessoas. Com algum treino, os dois em conjunto vão descobrir qual a forma mais confortável para a amamentação e tudo será mais fácil passado algum tempo.

8) A composição do leite muda conforme o bebé vai crescendo

Durante o período de amamentação, o leite pode ser produzido em maiores ou menores quantidades, consoante as necessidades do seu bebé, e vai mudando a sua consistência ao longo do tempo. Até ao terceiro dia, o leite é um líquido espesso de cor amarelada ou transparente. Numa segunda fase, até ao 25º dia do pós-parto, este toma uma forma mais madura. A partir daqui, assume uma composição nutricional baseada nas necessidades e características do seu bebé. Por esta razão, o leite materno é o melhor alimento até aos 6 meses, principalmente no caso de bebés prematuros ou com doenças, pois protege-os de infeções intestinais e sanguíneas através do reforço do sistema imunitário com os anticorpos da mãe, que passam para o bebé através do leite.

9) Dá para congelar o leite

É possível congelar o leite até 15 dias sem que este perca os seus nutrientes. Para isto, pode recolhê-lo através de uma bomba após amamentar o seu filho e guardá-lo para as alturas em que seja necessário. O aconselhável é que comece a guardar leite após a amamentação estar bem estabelecida, o que pode acontecer entre a 2ª e a 4ª semana após o parto.

10) Existem bancos de leite humano

Por vezes, há mães que não conseguem ou não podem amamentar por não terem leite ou por questões de saúde, por exemplo. Em todo o caso, existem bancos de leite que ajudam a alimentar estes recém-nascidos. Em Portugal, o Banco de Leite está situado na Maternidade Dr. Alfredo da Costa. Se considerar ser dadora, saiba que as mães fazem dois tipos de exames médicos para confirmar a inexistência de doenças e o leite passa por um exame de pasteurização.

11) (Às vezes) é um processo muito demorado e repetitivo

Um recém-nascido tem a necessidade de se alimentar várias vezes ao dia, o que pode significar que esta atividade ocorra de três em três horas. Isto torna o processo repetitivo e demorado. Para além da amamentação do bebé, que pode demorar apenas uns minutos, há que contar com o tempo de se sentar, ajustar a almofada de amamentação (se a tiver), encontrar a posição ideal e, depois, arrumar. Vai precisar ainda de algum tempo extra se quiser guardar leite.

Procure ter um ritual que facilite este processo e que o torne mais rápido, mas não se esqueça de apreciar cada minuto desta reunião única.

12) A pressão social

Como já reparou em todo o texto que leu até agora, existem diversos fatores que podem criar alguma pressão social, como por exemplo o facto do bebé não saber mamar ao nascer, dúvidas sobre se é ou não natural saber amamentar e haver pessoas que se sentem à vontade em amamentar em público e outras não. Porém, em termos afetivos, a união e os laços que se criam entre mãe e filho é especialmente forte nestes momentos: para a mãe, graças à ocitocina e ao tempo que tem para contemplar o filho; para o recém-nascido, porque a distância a que fica da cara da mãe ao ser alimentado corresponde justamente ao seu campo de visão nítido, sendo-lhe possível ver com pormenor as expressões da mãe.

Com dexpantenol. Para prevenção e tratamento do eritema da fralda e gretas do mamilo, pele seca, áspera ou gretada e cicatrização de lesões e irritações da pele. Contra-indicado no caso de sensibilidade a qualquer componente. Medicamento não sujeito a receita médica. Leia cuidadosamente o folheto informativo. Em caso de dúvida ou persistência dos sintomas, consulte o médico ou farmacêutico. L.PT.MKT.DC.12.2016.0113