Se teve um bebé recentemente pode sentir-se como se tivesse sido atingida por um furacão. A não ser que tenha empregada interna ou familiares a ficar consigo que a ajudem sem fazer juízos de valor, pode até sentir o mesmo em sua casa. Está tudo uma confusão, não há comida e as fraldas acabaram.

Rollercoaster first six weeks

Se é este o caso, descontraia. As coisas vão melhorar. O mais importante para si é descansar. Se a ideia de receber visitas é avassaladora, diga para não aparecerem. Os familiares e amigos podem estar desesperados para conhecer o novo bebé, mas vão ter de esperar. Não sinta de todo a necessidade de arrumar tudo antes das visitas chegarem. Se alguém lhe oferecer ajuda ou lhe trouxer comida pronta, aceite. Pode querer ser uma Super-Mulher e fazer tudo sozinha, mas já conseguiu o feito mais extraordinário de todos ao trazer uma nova vida ao mundo. Por isso, descanse à sombra desse feito.

Diz-se que a depressão pós-parto deve durar apenas umas semanas, mas a realidade pode ser bem diferente. Acho que a expressão “baby blues” devia ser permanentemente retirada do vocabulário. Ela não traduz e até diminui o impacto da montanha russa de emoções pelas quais uma mãe recente passa, algumas boas outras más. Nalguns dias sente que consegue escalar uma montanha, noutros, que nem se consegue levantar do chão. Ambos os estados são completamente normais e são resultado do turbilhão de hormonas que circulam pelo seu corpo.

Num registo do diário de uma mãe recente lê-se o seguinte:

A mala da maternidade ficou por abrir durante cinco dias. Estamos a meio da tarde e ainda não lavei os dentes. Passo do entusiasmo ao desespero. Porque é que acordei cega de pânico a achar “que o bebé se tinha perdido na cama”, quando está em segurança aqui ao lado? A quem posso contar isto sem que me julguem doida?

Aquela mãe recente era eu. Lembro-me da sensação de estar presa num túnel enorme depois do parto, retirada da realidade pela epidural. Eu queria lavar-me, comer e dormir. A enfermeira disse: “vamos levar a mãe para  a enfermaria” e eu pensei: “A minha mãe não está cá, pois não?” Não conseguia aceitar o facto de a “mãe” ser eu.

Poucas semanas depois do parto é frequente perguntar à mãe como se sente a nível emocional, especialmente se se sente em risco de se magoar a si própria ou ao bebé. Mas quem é que quer responder sim a esta pergunta e ficar com o rótulo de mãe incapaz?

Rollercoaster first six weeks

Muitas mães confessaram-me em lágrimas ter tido medo de deixar cair o bebé pelas escadas ou da janela, mas não conseguiram admiti-lo na altura. Como é que o podemos fazer, se há tantos milhares de mulheres, incluindo a nossa própria mãe, que o conseguiram ultrapassar, e ainda existe um estigma tão grande em relação à saúde mental? A Associação para a Doença Pós-natal calcula que cerca de 10% das mulheres que deram à luz recentemente desenvolveram uma depressão pós-parto. (2)

Esta é apenas a média dos casos relatados. A blogger Katherine Stone compilou uma lista da taxa de depressões pós-parto, em resposta a um artigo que sugeria que ela não existia em países não industrializados. (3) Um estudo mostrou que a incidência da depressão pós-parto chegava aos 20% em determinados países e regiões, como por exemplo no sul do Brasil.

Na verdade, eu tenho uma opinião diferente sobre a questão. No decurso do meu trabalho falei com várias centenas de mães, de diferentes culturas e meios socioculturais. Todas sentiram que no início não conseguiam encontrar um escape adequado para os seus sentimentos. Às vezes queriam explodir, mas muitas vezes queriam também festejar e partilhar o quanto adoravam ser mães. Não se descreveram como deprimidas nessa altura.

Acho que a maior parte das mães recentes têm a “síndrome da nova maternidade”. A lista de sintomas e sentimentos abrangidos é infinita, mas entre eles contam-se:

  • Alegria, excitação, desespero, aborrecimento, medo, vontade de chorar.
  • Culpa.
  • baixa auto-estima.
  • Orgulho e satisfação incomensuráveis.
  • Querer ir a festas.
  • Querer ficar escondida nos lençóis para sempre.
  • Desejar não ser mãe.

O que NÃO é normal é ser sempre competente e estar serena. Tanto a terminologia como a atitude em relação a este período da maternidade estão erradas. A saúde mental de uma mãe depois do parto é tão importante como a sua saúde física o é antes. Se sente que se pode magoar a si própria ou ao bebé, deve procurar ajuda. Mas se sente uma mistura de emoções como as descritas em cima, esse é a síndrome da nova maternidade. Alimente-se, descanse e esteja com o seu bebé sem expectativas. E reserve algum tempo a cuidar de si. O resto virá por acréscimo.

 Referências

  1. Participante, Mothers Uncovered
  2. www.apni.org
  3. http://www.postpartumprogress.com

 

 

Com dexpantenol. Para prevenção e tratamento do eritema da fralda e gretas do mamilo, pele seca, áspera ou gretada e cicatrização de lesões e irritações da pele. Contra-indicado no caso de sensibilidade a qualquer componente. Medicamento não sujeito a receita médica. Leia cuidadosamente o folheto informativo. Em caso de dúvida ou persistência dos sintomas, consulte o médico ou farmacêutico. L.PT.MKT.DC.12.2016.0113