Vou ser corajosa e dizê-lo: eu não tive uma ligação imediata com a minha bebé. Tinha curiosidade sobre ela, queria inspeccionar as suas unhas translúcidas e afiadas, o seu cabelo farto, negro e sedoso e saber ao certo como é que ela fazia aqueles barulhos ao respirar. Mas se eu estava completamente dominada por um amor sem igual? Não. Sentia espanto, surpresa, alívio e exaustão. E no entanto, esforcei-me muito para que parecesse que tinha uma enorme ligação com ela, porque sentia uma enorme pressão invisível para ser uma boa mãe.

A ligação é uma experiência multissensorial que nos permite desenvolver um elevado estado de consciência para a vulnerabilidade da nossa criança. A libertação de oxitocina - hormona que entre outras coisas nos faz procurar uma ligação mais próxima - para a nossa corrente sanguínea durante o trabalho de parto e o parto em si, ajuda a isso mesmo. Traz-nos uma motivação primária para garantir que a nossa criança recebe calor, comida e todo o cuidado de que precisa.

Contudo, é frequente haver muitas expetativas em relação a esta ligação, como se ela só pudesse ocorrer de uma determinada maneira. Não admira que as novas mães se possam sentir confusas e sob pressão.

 

Jenny - 32, mãe de uma criança

Jenny - 32, mãe de uma criança

Jenny - 32, mãe de uma criança

Jenny - 32, mãe de uma criança

Jenny - 32, mãe de uma criança

1 of close

Jenny - 32, mãe de uma criança

prev    
 

Essa ligação pode ter parecido algo fantástico à medida que ia sentindo a sua barriga crescer, que via as ecografias e que se foi apaixonando pelo filho que crescia dentro de si. No entanto, a ideia de uma pessoa e a experiência que depois temos com ela pode ser muito diferente e discordante. Depois da criança nascer a ligação pode assumir uma forma mais física, por causa das tarefas práticas como alimentar, dar banho e pôr o bebé a dormir. Por isso mesmo, podemos ter pouco tempo para reflectir sobre o que sentimos pela criança. Isto pode fazer-nos questionar se temos mesmo a tal “ligação maternal mágica” de que ouvimos falar. Toda esta interacção prática é exactamente o que vai ajudá-la a criar a ligação.

Como em qualquer outra relação, a ligação com o seu bebé pode não ser directa. Ao contrário de outras formas de ligação, com os bebés o elemento de reciprocidade não existe durante meses. Eles não conseguem interagir nem responder com os elementos verbais e não verbais que esperamos das pessoas de quem somos próximas. Isso pode ser mesmo desanimador.

Uma forma de estabelecer uma ligação com o seu bebé, tal como em todas as relações saudáveis, é criar rituais: uma coisa que vos pertença só aos dois. Pode ser o ritual de banho e cama, ou um passeio, ou quando lhe dá mimos e sorriem os dois. Cedo perceberá o que melhor vos convém.

Por vezes, o sentimento de ligação não surge durante muito tempo, e segundo os estudos, este pode ser o caso de uma em cada cinco mães. Se se sente permanentemente adormecida ou indiferente, é importante que fale com a sua enfermeira parteira para procurar apoio. O mais importante é que esteja bem e segura. A maternidade é uma complexa jornada emocional e psicológica que é diferente para cada mulher.

Os laços que vai ter com o seu filho serão um trabalho para a vida. Alguns podem ser para fases específicas e vão crescer e depois terminar, como é o caso da amamentação. Outros podem durar uma vida como a leitura e o desporto. Recorde-se que a criação de laços é um processo e não um momento final e único.

Com dexpantenol. Para prevenção e tratamento do eritema da fralda e gretas do mamilo, pele seca, áspera ou gretada e cicatrização de lesões e irritações da pele. Contra-indicado no caso de sensibilidade a qualquer componente. Medicamento não sujeito a receita médica. Leia cuidadosamente o folheto informativo. Em caso de dúvida ou persistência dos sintomas, consulte o médico ou farmacêutico. L.PT.MKT.DC.12.2016.0113